Arquivo da tag: anjos

Arte digital (parte I): Alexey Kondakov

O que vem a ser arte digital? Simples. Quando o artista cria no ambiente gráfico computacional, ele está produzindo arte digital. E a arte digital pode ser enquadrada na arte contemporânea? Sim, sobretudo se levarmos em conta que a arte contemporânea é representada por vários movimentos artísticos, revelando-se por meio de diversas linguagens, através da constante experimentação de novas técnicas.  No caso, a linguagem é visual mediática.

Alexey1

Embora a arte digital possa ser expressada por várias técnicas – imagens fractais, imagens em 3D, animações, realidade virtual aumentada, entre outras – é bem interessante observar a ideia criativa do artista, ou seja, o que ele cria neste novo e sempre crescente ambiente tecnológico.

Alexey6

Neste contexto, inicio apresentando a arte digital de Alexey Kondakov, designer ucraniano, cuja proposta é fundir personagens de obras clássicas em ambientes populares cotidianos, como o metrô, cafés, bares ou elevadores.

Alexey3

As figuras escolhidas pelo artista são, em sua maioria, deuses e anjos. Dentro das obras, a grande maioria faz referência a movimentos como o Renascimento e o Barroco, onde a cultura da mitologia grega foi retomada. As obras de Caravaggio (1571-1610) estão entre as suas preferidas.

Alexey4

E por que Alexey escolheu figuras do Renascimento? Talvez ele tenha se identificado com a liberdade de evolução artística que este movimento apresentou, através de estudos de novas técnicas… É possível fazer um paralelo entre o Renascimento e a arte de Alexey que mistura o digital e a pintura, o popular e o erudito.

Alexey2

Mas o artista também utilizou personagens de obras acadêmicas, como as de William Bouguereau (1825-1905), pintor francês, considerado o último acadêmico…

alexey5

E que tal identificar, nas criações apresentadas neste post, as obras que Alexey Kondakov escolheu para compor suas criações? Uma pista: a primeira é de Bouguereau…

Autor: Catherine Beltrão

Anjos

Neste início de ano, uma vontade imensa de escrever sobre anjos. Estes seres alados e sem tempo, que povoam nossa imaginação e, em consequência, nossos pensamentos e crenças. E, mais uma vez, poetas, pintores e escultores se juntam neste louvor.

anjos_davinci

Leonardo da Vinci (1452-1519): “A Anunciação” – 1472/75

Ela acreditava em anjo e, porque acreditava, eles existiam
Clarice Lispector (1920-1977)

anjos_michelangelo

Michelangelo Buonarroti (1475-1564): “Angel with Candlestick” – 1494/95. Faz parte da decoração da Arca de São Domingo, na Basílica de São Domingo em Bolonha.

anjos_giotto

Giotto(1266-1337): “Anjo”, na capela Arena Scrovegni, em Pádua – 1304/06

A doce canção“, de Cecília Meireles (1901-1964)

Pus-me a cantar minha pena
com uma palavra tão doce,
de maneira tão serena,
que até Deus pensou que fosse
felicidade – e não pena.

Anjos de lira dourada
debruçaram-se da altura.
Não houve,no chão, criatura
de que eu não fosse invejada,
pela minha voz tão pura.

Acordei a quem dormia,
fiz suspirarem defuntos.
Um arco íris de alegria
da minha boca se erguia
pondo o sonho e a vida juntos.

anjos_raphael

Rafael Sanzio (1483-1520): “Madonna Sistine” (detalhe) – 1512

anjos_aleijadinho

Aleijadinho (1730-1814): “Anjo do Getsêmani”, Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas/MG

O mistério do meu canto,
Deus não soube,tu não viste.
Prodígio imenso do pranto:
-todos perdidos de encanto,
só eu morrendo de triste!

Por assim tão docemente
meu mal transformar em verso,
oxalá Deus não o aumente,
para trazer o universo
de pólo a pólo contente.

O Anjo da Escada“, de Mario Quintana (1906-1994)

Na volta da escada
Na volta escura da escada.
O Anjo disse o meu nome.
E o meu nome varou de lado a lado o meu peito.
E vinha um rumor distante de vozes clamando
clamando…

Deixa-me!
Que tenho a ver com as tuas naus perdidas?
Deixa-me sozinho com os meus pássaros…
com os meus caminhos…
com as minhas nuvens…

anjos_vangogh

Vincent van Gogh (1853-1890): “Cabeça de Anjo, a partir de Rembrandt”

Eu vi o anjo no mármore e o esculpi até ‘libertá-lo‘”.
Michelangelo Buonarroti

anjos_dali

Salvador Dali (1904-1989): “O anjo caído”, em O Purgatório, Canto I, de Dante Aleghieri – déc.60

anjos_cezanne

Paul Cezanne (1839-1906): “O beijo da Musa” – 1860

Com licença poética“, de Adélia Prado (1935)

Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.

Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.

Não tão feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.

Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
— dor não é amargura.

Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável.
Eu sou.

anjos_chagall

Marc Chagall (1887-1985): “A queda do anjo” – 1947

A verdade é que ser anjo estava começando a me pesar.
Clarice Lispector

anjos_tarsila

Tarsila do Amaral (1886-1973): “Anjos” – 1924

O anjo“, de Ferreira Gullar (1930-2016)

1. O anjo, contido
em pedra
e silêncio
me esperava.

Olho-o, identifico-o
tal se em profundo sigilo
de mim o procurasse desde o início.

Me ilumino! todo
o existido
fora apenas preparação
deste encontro.

anjos_brecheret

Victor Brecheret (1894-1955): “Ave Maria 1″ – 1955. Última obra de Brecheret. Túmulo família Scuracchio. Cemitério São Paulo.

2. Antes que o olhar, detendo o pássaro
no voo, do céu descesse
até o ombro sólido
do anjo,
criando-o
– que tempo mágico
ele habitava?
3. Tão todo nele me perco
que de mim se arrebentam
as raízes do mundo;
tamanha
a violência de seu corpo contra
o meu,
que a sua neutra existência
se quebra:
e os pétreos olhos
se acendem;
o facho
emborcado contra o solo, num desprezo
à vida
arde intensamente;
a leve brisa
faz mover a sua
túnica de pedra.

4. O anjo é grave
agora.
Começo a esperar a morte.

 Autor: Catherine Beltrão