Os crânios de Basquiat

Basquiat

Jean-Michel Basquiat

Jean-Michel Basquiat (1960 – 1988) foi um artista americano. Basquiat tinha ascendência porto-riquenha por parte de mãe e haitiana por parte de pai. Desde cedo mostrou uma aptidão para a arte e foi influenciado pela mãe, Matilde, a desenhar, pintar e a participar de atividades relacionadas ao mundo artístico. Aos seis anos, já frequentava o Museu de Arte Moderna de Nova York, de onde tinha carteira de sócio mirim.

Aos sete anos foi atropelado e no acidente teve o baço dilacerado. Foi submetido a uma cirurgia e ficou uma temporada no hospital. Sua mãe lhe deu de presente um livro de anatomia que teria grande influência em seu futuro de artista, revelado pelas pinturas de corpos humanos e detalhes de anatomia.

Aos 17 anos, Basquiat começou a fazer grafite em prédios abandonados em Manhattan. Ganhou popularidade primeiro como um grafiteiro na cidade onde nasceu e então como neo-expressionista.

Basquiat_cranio1_Skull_1981

“Skull”, de Basquiat. 1981

No início dos anos 80, ele começou a namorar uma cantora desconhecida na época, Madonna. Neste mesmo ano, conheceu Andy Warhol, com quem colaborou ostensivamente e cultivou amizade.

Basquiat_cranio2

Outro crânio de Basquiat.

O período mais criativo da curta vida de Basquiat situa-se entre 1982-1985, e coincide com a amizade com Warhol, época em que fez colagens e quadros com mensagens escritas, que lembram o graffiti do início e que o remetem às suas raízes africanas. É também o período em que começa a participar de grandes exposições.

Com a morte do amigo e protetor Andy Warhol em 1987, Basquiat fica abalado, perdido e debilitado, e isso se reflete na sua criação. A crítica, exigente, já não o trata com unanimidade e Basquiat responde a essas cobranças como racismo. Vendo-se sozinho, passou a exagerar no consumo de drogas. Em 1988, põe fim à vida com uma overdose de heroína.

Basquiat_cranio3

Mais um crânio de Basquiat

Jean-Michel Basquiat utilizava imagens e palavras europeias e símbolos gráficos de cavernas africanas, além de imagens robotizadas e grafites em seus trabalhos. Basquiat procurava inspiração na arte histórica e até nos trabalhos figurativos de Jackson Pollock.

Na obra sem nome “Skull” (crânio), ele mostra uma seção da cabeça humana feita com pastiche e marcas de pontos que parecem juntar o crânio à cabeça. A parte azul ao redor da cabeça demonstra uma imagem eletrônica do mundo médico, e as letras na parte superior da obra parecem uma mensagem criptografada. A obra faz parte do acervo “The Eli Broad Family Foundation“, Santa Mônica, California, USA.

No próximo dia 18 de maio, será leiloado na Sotheby’s um dos crânios  de Basquiat. Esta tela foi comprada em um leilão por US$ 19 mil, em 1984, e permaneceu com a mesma família por 34 anos, segundo a casa de leilões. Pintada em 1982, é uma versão menor do quadro da coleção do bilionário Eli Broad, considerado uma das obras-primas do artista. Estima-se que a obra poderá chegar a US$ 60 milhões.

Basquiat_cranio4_1982_Sothebys

Crânio de Basquiat, de 1982, a ser leiloado na Sothebys, em maio. Valor estimado: US$ 60 milhões

Jean-Michel Basquiat foi o primeiro afro-americano a ter sucesso nas artes plásticas de Nova York. O recorde atual para uma obra do artista é do bilionário japonês Yusaku Maezawa, que pagou US$ 57,3 milhões por um autorretrato de Basquiat em um leilão realizado pela Christie’s em maio de 2016.

Autor: Catherine Beltrão

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>