Luiza e Fernando, DNA de almas

Se alma tivesse DNA, Luiza Caetano era filha de Fernando Pessoa.

Fernando Pessoa

Fernando Pessoa

Fernando Pessoa (1888-1935), o mais universal poeta português, deixou para os leitores do mundo um mundo de poemas e pensamentos sobre a sensibilidade de ser. O autor de “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena“, transformou a alma de  muita gente, inclusive a minha, em meus jovens anos de adolescência. Naqueles anos, eu também acreditava que “Tenho em mim  todos os sonhos do mundo.”

Aos poucos fui também, como ele, fazer a travessia:

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas
Que já tem a forma do nosso corpo
E esquecer os nossos caminhos que
nos levam sempre aos mesmos lugares
É o tempo da travessia
E se não ousarmos fazê-la
Teremos ficado para sempre
À margem de nós mesmos“.

Luiza - Fernando 1

Obra de Luiza Caetano, retratando Fernando Pessoa e seus heterônimos

 

Durante a travessia, fui aprender a amar. Várias lições se passaram até que fui entender o que o poeta quis dizer: “Nunca amamos ninguém. Amamos, tão-somente, a ideia que fazemos de alguém.” Aí, fui me perceber, com todas as minhas fraquezas e covardias. “Amar é cansar-se de estar só: é uma covardia portanto, e uma traição a nós próprios“.

Luiza

Luiza Caetano

Daí, após anos de estrada com Fernando Pessoa, fui conhecer Luiza Caetano, a grande dama da pintura e da poesia portuguesa
destes nossos novos tempos. Iniciada de forma virtual, nossa amizade tomou corpo em três cidades, duas de morada – Nova
Friburgo e Lisboa – e a outra, Rio de Janeiro, servindo de ponte.

Encontrei em Luiza a alma de Fernando. Alma que expõe tormento e angústia. Mesmo adulta, alma que procura a liberdade: “Não tenho para onde fugir sou um pássaro de asas cortadas”. E que constata a inexorável passagem do tempo: “No calendário do mundo, tombam folhas como lágrimas… Tão longe o que já foi perto!

Luiza - Fernando 3

Obra de Luiza Caetano, retratando Fernando Pessoa e seus heterônimos

 

Talvez no poema “Almas gêmeas” Luiza não pensou em Fernando… mas quem conhece Fernando Pessoa e Luiza Caetano, com certeza pensa neles ao ler estes versos:

Tal qual dois espíritos
se encontram e se perdem
na volatidade dos dias,

Dois espíritos
necessitados
do oxigénio do sonho
para reinventarem a vida,

Dois rios
que se encontram
na confluência dos mares
explodindo as marés,

Dois rios,
duas estrelas
ou dois vulcões

que se cruzam
se abraçam
ou se anulam

lutando contra
o inexorável limite
dos limites.

Para quem quiser o deleite máximo, vale a pena clicar aqui neste vídeo de Jorge Soares, que reúne Maria Bethânia, Fernando Pessoa e Luiza Caetano, e que começa com “Todas as cartas de amor são ridículas …”

 Autor: Catherine Beltrão

13 opiniões sobre “Luiza e Fernando, DNA de almas”

  1. Surpresas Boas ?
    são mesmo aquelas em que és apanhada por um texto maravilhosamente bem escrito e onde te colocam lado a lado com um dos maiores e mais prestigiados poetas de Portugal e do mundo.

    Catherine Beltráo – a querida amiga – que visitei em Nova Friburgo e fui visitada na exposição individual no Mian do Rio de Janeiro e mais tarde em Lisboa onde me presenteou com uma Frida Khalo exótica que amei e guardo preciosamente.
    Assim como guardo as mais belas recordações desta amiga querida que, sendo dona de um dos mais importantes acervos de pintura e de notabilíssimos pintores, faz o favor e me dá a subida honra de destaques como este (e muitos outros no ARTENAREDE de que é Administradora).

    Este me sensiblizou de forma muito especial, já que me coloca como Alma Gémea do grande Fernando Pessoa. Meu Deus! Catherine, me sinto tão pequenina junto da magnitude desse poeta que encarnou tantos poetas de excelência. Apenas procuro um pequeno rasto dos muitos rastos com que ele se manifestou de forma rara, lúcida, inteligente e manifestamente estranha na sua ânsia de encontrar. De se encontrar!
    “lutando contra
    o inexorável limite
    dos limites.”
    Assim também nós, nos geminámos Catherine! Eu que lhe desconhecia essa ambiguidade poética e criadora aqui declarada – embora lhe reconhecesse um imenso Amor a Todas as Artes.

    “Rios
    que se encontram
    na confluência dos mares
    explodindo as marés,
    que se cruzam
    ou se abraçam
    sem nunca se anularem”

    Passe o tempo que passar!

    Minha querida Catherine Beltrão
    Minha Muito Linda Amiga de Sempre.

    Te Adoroooooooooo!

  2. Olá Catherine Beltrão fico feliz por a encontrar naturalmente honrada por estar na arte narede. parabens pelo seu imenso trabalho pela arte e pelos artistas , sempre ao dispor receba o meu abraço Lena Gal

    1. Queridíssima Lena Gal, obrigado pela tua intervenção e comentário junto da nossa amiga comum Catherine Beltrão a qual não deixa por mãos alheias o seu imenso amor às Artes, assim como a sua participação nas mesmas.
      Incentivando-nos!
      Promovendo-nos!

      Com um carinho inestimável.
      Beijinhos.

    1. Uma simples palavra de José Teixeira, vale para mim com uma Wikipédia da Arte.
      Eu sei que ele é profundo conhecedor e colecionador.

      Bem Haja meu amigo das poucas e preciosas palavras.

  3. Olá , conhecer Luiza Caetano, e ser sua amiga , é ganhar na grande loteria. A obra poética e a pintura , nos enebria a alma de emoção, mas para quem tem a grande honra de ser amiga, isso nos deixa muito mais felizes.Ver o reconhecimento a cada dia mais crescente da arte de Luiza, só me deixa muito feliz. Pois ela é exatamente assim. Puro amor e pura liberdade de ser.

    Parabéns a Chaterine Beltrão por seu lindo trabalho e por esta linda homenagem .

    Dolores Jardim.

    1. Dolores,
      tem sido ao longo do tempo uma amiga tão dedicada, apoiando de todas as formas, divulgando, promovendo e estando sempre ao meu lado em todos os momentos. Nos altos e nos baixos – sempre com uma palavra de carinho e muita amizade.

      Um forte esteio de promoção das Artes e das poesias, vale pela sua forma dedicada que desinteressadamente está aqui para apoiar os seus amigos, quer registando e promovendo-os, quer guardando-os ciosamente em seu lindo Blogue ” O MEU ENCANTO”

      Um grande Bem Haja a Dolores Quintão Jardim pela sua imensidão de pessoa.

  4. Toda a minha alma com vocês que são parte do que eu sou

    ALMAS GÉMEAS II

    Insepultadas !
    Vazias !
    como mendigos
    abandonados
    e sem alma.

    seres perdidos
    na confluência dos astros
    ou na fronteira do nada

    estendem as mãos geladas
    e sem voz para responder
    às chamadas dos búzios
    onde os ecos ainda respondem
    em cumplicidades aladas

    Viúvas insepultas
    de veludo preto e máscaras
    percorrendo em vias sacras
    sem nada nem as culpas

    para lá
    do além

    ainda escuto na distância
    da minha concha encantada
    que chama, ama e proclama
    na alma da minha gémea alma
    a sua eterna chamada.

    LuizaCaetanoi

  5. Quando resolvi, há pouco mais de seis meses, criar este espaço – o fruto mais novo desta grande árvore que chamei de ArtenaRede – pensei em partilhar experiências, conhecimentos e trajetórias com gente que, como eu, faz da Arte um caminho, uma forma de vida, uma chegança. Sempre soube que muitas vezes caminharia só, que estaria remando contra a corrente atual da descartabilidade, da futilidade, da superficialidade. Sobretudo em se tratando de um espaço virtual.
    Mas, eis que chego a este post e acontece uma avalanche. Luiza, esta mulher descomunal, faz jorrar seus sentimentos e, sendo eles tão intensos, também faz jorrar muitos outros, vindos de suas “almas geminadas”.
    Estou perplexa, ainda em estado de choque com esta avalanche. Não sei se agradeço. Não sei se peço perdão pelo que deixei de fazer ou de dizer. Não sei se tento abraçar todas estas almas que se irmanam com o que penso e o que sinto.
    Obrigada, Luiza! Uma vez mais, sua luz me mostra a direção a ser tomada…seguirei em frente.

  6. Olá bom dia! Eu apenas conheço a Luiza daqui do face, e é para mim um privilégio. Sou grande admiradora das sua telas que encantam pelas suas cores alegres, pela riqueza dos pormenores, pelos temas que retratam o nosso quotidiano e nos transmitem alegria e tranquilidade. Nas cenas campestres há quase sempre pássaros a sobrevoar o horizonte dando a ideia de liberdade a qual também muito aprecio. Gosto muito da sua poesia onde predomina também um sentimento de liberdade, escrevendo o que lhe vai na alma sem entraves nem limites .Luiza, parabéns pela sua arte e poesia. desejo-lho todo o sucesso e reconhecimento , que é bem merecido.
    Um abraço.

  7. Ah, querida Catherine, prá frente é que é Lisboa. (risos) COMO SE DIZ NA MINHA SANTA TERRINHA.

    Sendo uma realidade que as virtualidades se querem breves e não exijam grandes tiradas, também tem gente que reconhece e se reconhece pelas palavras, pelos gestos e pelas atitudes comportamentais, utilizando e muito bem (tal como eu sempre o fiz) esta ferramenta da Net como um curso de todos os dias aprender.
    Importante mesmo é que as bases de entrada nos sistemas não sejam complicadas. A maioria das pessoas vem de passagem apanhando no ar o que lhe é fornecido de forma simples e sem complicações.

    Catherine, agradecer? Agradecemos todos pelas oportunidades, pelo seu saber e partilha.

    Então, fica combinado. Aqui estaremos de mãos dadas, mente afiada e dedos perfilhados no teclado para o próximo evento do ArtenaRede.

    Obrigado por tudo minha querida amiga de força e Alma.

  8. Estimadíssima amiga Delta Ebro,
    Fiquei muito feliz ao deparar agora com seu lindo e sincero comentário. As surpresas sempre são maravilhosas de ler e receber.

    Bem haja, por pensar e agir tal qual sente de forma bem lúcida e intelligente e me premiar e ho9nrar com tão lindo comentário.
    Muitíssimo obrigado
    Delta Ebro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>