Lena Gal, o feminino pleno

Lenagal – HeLena Maria Galvão Amaral – nasceu em 1957, em São Miguel Açores. Isso mesmo, a maior das ilhas do arquipélago dos Açores e a maior de todas as ilhas integrantes do território de Portugal. Como ela própria diz em entrevista a José Neto, talvez tenha sido este fato – o distanciamento com a vida mundana da cidade grande e a consequente interiorização com suas necessidades e questionamentos – que a fez trilhar caminhos de várias manifestações artísticas. Desde criança Lenagal era fascinada pela Arte: dança, teatro, pintura. Começou desenhando rostos femininos a carvão e a lápis de cor. Autodidata, percorreu os caminhos do carvão ao pastel seco, das serigrafias à pintura acrílica.

Lenagal pintando

Lena Gal pintando

 

Lenagal - Dor silenciosa

“Dor silenciosa”, de Lena Gal. 2002, Acrílica sobre tela, 54 X 65cm

Conheci a arte de Lenagal em 2002, quando doou uma obra sua ao Museu ArtenaRede. “Dor silenciosa” foi uma das primeiras obras doadas ao Museu. O trabalho é fantástico, extremamente forte, dilacerante. Os olhos fechados avistam uma dor interior intensa, do tamanho do campo que se perde no horizonte. A boca retorcida não sabe ou não precisa mais sorrir: tudo é angústia, tudo é sofrimento. Esta obra é muito significativa também pois foi a primeira doação que o Museu Artenarede recebeu de outro país, no caso Portugal.

O universo temático de Lenagal são as figuras femininas. Lenagal, o feminino pleno. Mas também pode ser Lenagal, o infinito pleno. Pois a mulher é o infinito. Um infinito de sentimentos, de sensações, de proposições. Não se sabe onde começa, onde termina. Só se consegue ver um pedaço (pequeno), entender uma parte (mínima).

Lenagal - aquarela1

Aquarela de Lena Gal

 

Em maio de 2010, na sequência da série “A arte e a mente de… “, o filósofo José Neto fez uma entrevista com Lena Gal. Sobre a sua pintura, a artista diz:

Eu não gosto de fazer bonecas. Gosto de dar vida, alma … e não sei se consigo. As vezes não sei como fazer. Então é uma luta muito grande comigo mesma.” Para ver a íntegra do vídeo, clique aqui.

Lenagal - video Arte e Mente

Obra de Lena Gal – imagem do vídeo “Arte e mente de … Lena Gal”, de José Neto

 

Busto de Lena Gal, escultura de Rogério Timóteo

Em junho de 2012, foi inaugurada a “Casa Lena Gal“, espaço contíguo à Câmara Municipal de Ribeira Grande, Açores. São 30 telas doadas pela artista ao município, representando uma amostra de sua alma e generosidade ímpares. Para se ter uma ideia do espaço, clique aqui.

Lenagal - casa 2

Parte do interior da Casa Lena Gal

 

Mais imagens/vídeos sobre o universo feminino de Lenagal: exposição “ A Senhora das Águas“, de janeiro a abril de 2013, no Centro de Exposições de Odivelas e “Retrospectiva de 25 anos de Pintura – Lena Gal“, em janeiro e fevereiro de 2013, na Galeria Municipal de Sintra.

 Autor: Catherine Beltrão

2 opiniões sobre “Lena Gal, o feminino pleno”

  1. querida Catherine Beltrão sinto uma alegria imensa em pertencer á Artenarede tantos anos já passaram, admiro seu trabalho em prol das artes e dos artistas ,estou grata pela sua homenagem para mim enquanto artista é um balsamo é um reconhecimento que me faz sentir que vale a pena continuar a criar obrigada meu grande abraço de amizade Lena Gal

    1. Acabo de receber uma das mais belas obras que farão parte do Museu ArtenaRede! Com certeza, o mais belo presente que este blog me proporcionou desde sua criação, há sete meses! Agradeço você, do fundo do coração e da alma – se é que alma tem fundo… – por este seu gesto de doação de uma obra sua para o Museu. E que obra! Desde que eu vi esta imagem, foi paixão à primeira vista, tanto que fez parte deste post “Lena Gal, o feminino pleno”. Um grande e caloroso abraço, grande amiga e imensa artista!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>